segunda-feira, 27 de março de 2017

QUANDO BOCETAS SE TORNAM OBRAS DE ARTE: O GRANDE MURAL DA VAGINA



O artista inglês Jamie McCartney, em 2011, criou o Great Wall of Vagina (grande mural da vagina). São 400 modelos diferentes de vaginas esculpidos em gesso, tiradas diretamente de mulheres voluntárias. São dez painéis onde fica evidente que cada vagina tem um formato próprio, o que atrai mulheres a encontrar qual “é a sua”:














McCartney contou com a ajuda de 400 voluntárias que literalmente abriram as pernas para a confecção dos moldes. A experiência segundo o artista foi extremamente gratificante para quem se prestou a ajudá-lo. Relatou o artista que “várias me mandaram e-mails falando que meu trabalho mudou suas vidas, que a autoestima aumentou. Isso é incrível”. As fotos seguintes dão uma ideia do trabalho do artista: 


















Fontes:






segunda-feira, 20 de março de 2017

O QUE VEIO PRIMEIRO: O OVO OU O PINTO? O TESÃO OU A PUNHETA?




O vibrador/masturbador feminino já tem mais de um século. Já os aparelhos de masturbação masculina só têm aparecido muito recentemente. Os cinco dedos sempre foram uma forma simples, barata e universal de fazer o homem gozar, sem o intercurso sexual.



No entanto, há sempre alguém querendo ganhar algum dinheiro com o seu prazer. Já apresentamos aqui mesmo, neste blog, um ou outro tipo de masturbador masculino. Mas o que apresentamos agora é bastante original: tem o formato de um ovo. É um ovo! Seu criador deve ter feito a associação horrorosa que está no título dessa matéria. Veja o que dizem dele:


O masturbador Tenga Egg é um brinquedo erótico produzido no Japão com o objetivo de proporcionar uma masturbação mais intensa aos homens. Quem o vê pela primeira vez, pode considerar seu formato lúdico e até inofensivo, mas ao contrário de sua imagem sutil, o Tenga Egg chega ao mercado erótico para revolucionar os níveis de prazer e sensações, proporcionando experiências indescritíveis ao público masculino.


Os modelos disponíveis no mercado são diversificados, com 14 diferentes cores, tamanhos, texturas internas, relevos excitantes e mecanismos de estimulação, todos adaptáveis a qualquer tamanho de pênis. Mas esses ovinhos possuem uma característica em comum: garantem um prazer absoluto, levando homens e mulheres as alturas.


O produto é literalmente um ovo, e para usá-lo, basta descascá-lo e introduzir o gel lubrificante que se encontra na parte interna do produto, após esse passo, é só “vestir” o pênis como uma touca, esticando-o e iniciando a masturbação, que pode ser praticada tanto sozinho, como a dois, pois a textura do Tenga Egg garante a sensação por dentro e por fora.


O objeto é descartável, mas se você não ejacular dentro dele é possível usá-lo mais algumas vezes. Ao todo, a caixa contempla seis unidades e pode-se escolher 14 modelos de texturas distintas, do mais liso e sensível ao mais rústico, com salientes relevos internos que causam diferentes estímulos.


Para quem pensou que o Tenga Egg proporcionaria prazer intenso apenas aos homens, se enganou. O produto transforma-se em um masturbador feminino quando virado do lado inverso, podendo até ser encaixado em vibradores, levando as mulheres ao delírio.


Como a peça é bastante anatômica, fiquei imaginando se não poderia também ser usado para o sexo convencional, tanto vaginal quanto anal. Creio, porém, que já é um pouco demais. Enfim, se você gostou do produto e quiser comprá-lo, encontra-se à venda em boas lojas de produtos sexuais. Se usar e quiser dar o seu testemunho, os comentários do blog estão à disposição.





segunda-feira, 13 de março de 2017

AS TELAS QUENTES DO EROTISMO EXPLÍCITO 7 – GEORGES DELFAU



Georges Delfau é um pintor das situações comuns. Não exatamente do dia a dia, das situações familiares. Seu olhar recai, mais precisamente, sobre as pessoas comuns, em ambientes domésticos, surpreendidos por um voyeur (o pintor?) em cenas de sexo explícito. Com um traço preciso e bastante significativo, retrata pessoas que poderiam ser nossos tios e tias, o porteiro do prédio, a mulher da padaria da esquina, o funcionário do banco, o quitandeiro, enfim, pessoas de nosso convívio, mas de uma “certa idade”, coroas que raramente iríamos pensar que trepam como todos nós, que realizam suas fantasias como quaisquer mortais. Desmitifica, portanto, o sexo e o erotismo de homens e mulheres com quem convivemos e que julgamos assexuados, apenas por já não terem mais os corpos jovens e bem feitos da juventude. Seu livro, O CONVITE (L’INVITATION) foi publicado em Paris, em 1993. E praticamente nada mais se sabe sobre ele. Aprecie, portanto, suas pinturas, e divirta-se como me diverti, quando as descobri: